Óleos para Cabelo Óleos para Pele

Óleo de romã: remédio natural contra inflamações e até câncer

Garganta irritada? Que tal um gargarejo com romã? Há bastante tempo, a receita vem sendo passada de geração a geração. O que será que esta frutinha delicada com nome científico Punica granatum e seu óleo têm assim de tão especial? É o que vamos saber hoje… Confira!

As propriedades da romã são, principalmente, a sua ação anti-inflamatória, antidiarreica, diurética, antisséptica e antioxidante. É útil ainda na prevenção de obesidade, hipertensão e outros problemas cardiovasculares.

O suco de romã, por exemplo, é indicado para aliviar os sintomas da angina e as dores na garganta.

A romã é o fruto da romãzeira, que pode ser usada como planta medicinal. Ela é arredondada, de tonalidade laranja ou avermelhada; suas sementes são pequenas e de aspecto gelatinoso.

A fruta é encontrada facilmente nos supermercados, enquanto suas flores e folhas geralmente são vendidas em lojas de produtos naturais.

É fonte abundante de vitaminas (A, do complexo B, C e E) e de substâncias antioxidantes, como os flavonoides, entre outras. Ajuda a fortalecer nossa imunidade e, portanto, auxilia na prevenção de várias doenças.

A romãzeira é uma espécie oriunda da Grécia, Síria e Chipre, além de regiões que integram o centro do Oriente Próximo.

Das sementes da romã, é extraído um óleo poderoso, que serve como remédio natural. Um dos benefícios do produto está ligado à circulação sanguínea.

O óleo da semente de romã é derivado da semente da espécie Punica granatum. Rico em ácido púnico, é diferente do extrato de romã, que é fonte de ácido elágico e é obtido de outras partes da fruta e/ou cascas.

O óleo tem uma grande concentração de ácido púnico, um ácido graxo com ação antiaterogênica, ou seja, que inibe a formação de placas nas artérias.

Existe, inclusive, um estudo feito em pacientes com taxas elevadas de colesterol e triglicérides. A pesquisa demonstra que a ingestão de óleo de romã possibilitou a redução nos níveis dessas substâncias no sangue.

O óleo de romã é um antioxidante bastante eficaz, podendo ser aplicado para cuidar de problemas na pele e nos cabelos.

A razão é o gás carbônico obtido do óleo de semente de romã, auxiliando na hidratação e nutrição da pele. Enquanto os elementos conhecidos como polifenois atuam como antioxidantes, protegendo os tecidos dos danos causados pelos radicais livres e evitando o envelhecimento precoce.

A prevenção do câncer é outro motivo forte para ter o óleo de romã em casa, pois, segundo pesquisa, o produto tem ação antimicrobiana e anticancerígena. Um fator que seria notado principalmente na inibição do surgimento de tumores de próstata e de mama.

E mais: pesquisa do Instituto Israelita de Tecnologia afirma que o óleo de semente de romã seria capaz de estimular a autodestruição das células cancerígenas.

Mas nenhuma informação divulgada aqui tem objetivo de substituir qualquer tratamento ou consulta médica, ok?

Óleo de semente de romã: o que ele tem de bom?

Em resumo, a romã traz nutrientes que interferem positivamente da seguinte forma:

  • Auxiliam na circulação
  • Melhoram a aparência da pele
  • Favorecem a visão
  • Ajudam a manter a saúde cardiovascular

É fundamental lembrar que, ao ser consumida em excesso, a romã pode ser tóxica, levando a efeitos colaterais como enjoo e vômito. A romã é rica em alcaloides e pode se tornar venosa. O que já seria, portanto, uma das contraindicações do fruto.

Mas quando são feitas as infusões, os alcaloides se juntam aos taninos, que anulam a toxidade da romã.

As romãs são famosas pelos seus antioxidantes e pela vitamina C. Com o óleo de romã, podemos ampliar o uso da fruta e manter o bem-estar sempre em dia. Sem dúvida, uma fruta versátil, que pode ser consumida de várias maneiras e com diversas finalidades.

Seja ao natural, em suco, geleia, molhos ou óleo, a romã atende às mais diversas necessidades e gostos.

Experimente você também!

Deixe seu comentário!